domingo, 6 de setembro de 2009

já não há mouro na costa

Tracey Emin at the White Cube gallery in London. (Its inscription read: “Oh Christ I just wanted you to fuck me and then I became greedy, I wanted you to love me.”)
 
Uma senhora que achava que a depilação era muito 1999 a gritar FUCK THE PAIN AWAY é algo que certamente fica na memória de qualquer um. Pois é bom que tenham uma boa memória porque a querida Peaches parece que decidiu juntar-se ao clube «those who suffer for love» fundado por Tracy Emin
Coisas como "slappin your dicks all over the place, rubbin that shit all up in your face" foram substituídas por um "ai porque é que tu não falas comigo", estas mudanças sempre me fizeram confusão, substituir algo característico pelo seu oposto deveria ser considerado ilegal. 
O mais recente álbum de Peaches é errado.




Like sex on the beaches
What else is in the teaches of peaches? Huh? What?

1 comentário:

master song disse...

não há post teu melhor que este para eu poder responder ao teu comentário.

primeiro que tudo reforço a ideia de que se eu disse para as pessoas se atirarem para a banheira com a televisão era certamente porque o acto em si é simbólico e não porque as leis da física da era moderna assim o permitem ou não.

em segundo lugar niguém falou em perigo da televisão ou sanidade desta. falou-se na hipocrisia das pessoas que dizem coisas exactamente como o teu comentário(nao quero claro com isto dizer que foi um comentario hipócrita, só falo do comentario generalizado. porque ao quereres comentar, acabaste por reforçar o post em si).

e agora comentando o teu post. ao mudar o que torna algo característico, é obviamente algo contrário. se não, para quê mudar? e se a peaches tivesse sido conhecida primeiro por "ai ele nao fala comigo" e agora de repente mudasse para algo "claramente mais indie que" a maioria das coisas, já recebia muitos aplausos. (não gosto nada da peaches, note-se)